Fique por dentro
   

Notícias

FEM e Sindicatos Filiados Entregam Pautas da Campanha Salarial aos Patrões

04/07/2015

A Federação sugeriu um calendário de negociações, que deve acontecer neste mês

Entrega de pautas para setores patronais na sede da FIESP - foto: Adonis Guerra/SMABCEntrega de pautas para setores patronais na sede da FIESP - foto: Adonis Guerra/SMABC 
 

Publicado em: 03/07/2015

Os metalúrgicos da CUT no Estado de São Paulo deram início a Campanha Salarial 2015. A data-base da categoria é 1º de setembro e estão em Campanha cerca de 200 mil trabalhadores na base da FEM-CUT/SP.

O primeiro passo foi a entrega das pautas de reivindicações para seis setores patronais que aconteceu na manhã desta sexta-feira (3) nas sedes da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças).

Participaram presidentes e dirigentes da Federação e dos sindicatos filiados do ABC, Sorocaba, Taubaté, Itu, Matão, São Carlos, Monte Alto, Araraquara, Cajamar, Salto, Pindamonhangaba e Itaquaquecetuba.

Durante as solenidades, o presidente da FEM, Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão, falou sobre a construção das pautas de reivindicações que receberam ricas contribuições dos trabalhadores no chão de fábrica e foram amplamente debatidas nas Plenárias Regionais de Monte Alto, Itu e Taubaté. Luizão pediu aos empresários que analisem com carinho as propostas.

“Aprovamos a nossa bandeira de luta  Nenhum Direito a Menos e Mais Avanços Sociais que tem essa preocupação de não aceitar retrocesso nas nossas conquistas sociais”, frisou.

Ele citou, como exemplo, o nefasto PLC 30 (antigo 4330), que permite a terceirização indiscriminada nas atividades fim das empresas, destacando que ele representa um “ataque frontal aos direitos da classe trabalhadora”, que foram conquistados com muita luta e suor ao longo dos anos.


Entendimento e calendário

Trabalhadores e empresários destacaram que, embora a conjuntura econômica do País hoje seja atípica, é importante construir um diálogo equilibrado que caminhe para o entendimento. “Reconhecemos que a conjuntura atual não é das melhores, assim como o momento político, mas o que estamos propondo nas nossas pautas são questões do dia a dia do trabalhador, que é possível as empresas cederem sem muito custo. Podemos avançar e o trabalhador pode contribuir com o Brasil”, frisa Luizão.

O coordenador da bancada patronal do Grupo 8, Valdemar Andrade, aposta no diálogo. “Esperamos a união de todos para que possamos chegar ao final das negociações com uma Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) que sirva para todos”, disse.

Para o coordenador da bancada do Grupo 3, Dráuzio Rangel, diante desse cenário difícil da economia, a manutenção dos empregos deve ser priorizada nas mesas de negociação. “Temos que fazer esse esforço. Porque o emprego é o maior bem do trabalhador e também da empresa”,ressalta.

O presidente da FEM concorda, mas chama atenção para o fato que os metalúrgicos querem a volta dos níveis de emprego anteriores. “Sabemos que uma parte das empresas realmente passou por uma situação complicada, mas outras aproveitaram do momento difícil para fazer a reestruturação necessária. E o trabalhador já pagou um pouco dessa conta que ele não deve”, explica.

No término das solenidades, a Federação propôs como sugestão para as bancadas patronais um calendário de datas de rodadas negociação para este mês de julho.

Principais reivindicações

Os  metalúrgicos da CUT no Estado de São Paulo aprovaram como principais bandeiras de lutas:  40 horas semanais; a reposição da inflação e aumento real; a unificação e valorização dos pisos e a valorização das cláusulas sociais. O slogan da Campanha é “Nenhum Direito a Menos e Mais Avanços Sociais”.

As cláusulas sociais serão o destaque. Foram apresentadas mais de 30 contribuições que vieram das Plenárias Regionais realizadas em Monte Alto, Itu e Taubaté que propõem melhorias nas cláusulas pré-existentes (que estão em vigor nas Convenções Coletivas de Trabalho) e a inclusão de novos direitos. “Queremos uniformizar as nossas cláusulas pelo o que temos de melhor em cada grupo”, explica Luizão.

 

Perfil dos setores metalúrgicos base FEM-CUT/SP
A Federação negocia com seis bancadas patronais: Grupo 2 (máquinas e eletrônicos); Grupo 3 (autopeças, forjaria, parafusos); Grupo 8 (trefilação, laminação de metais ferrosos; refrigeração, equipamentos ferroviários, rodoviários entre outros); Grupo 10 (lâmpadas, equipamentos odontológicos, iluminação, material bélico entre outros); Estamparia e Fundição.

 


Viviane Barbosa, Assessora de Imprensa da FEM-CUT/SP

 

Entrega da Pauta Campanha Salarial 2015 - Grupo 3

Agência de notícias da  FEM-CUT/SP
Redação: imprensa@fem.org.brjornalismo@midiaconsulte.com.br
Editora-chefe: Viviane Barbosa - Mtb 28121
Redatora: Vanessa Barboza - Mtb 74572

Siga-nos: www.twitter.com/femcut
Facebook: www.facebook.com/fem.cutsp


•  Veja outras informações
 
SINDICATO DOS METALÚRGICOS DE MATÃO
Rua Sinharinha Frota, 798 - Centro - Cep 15990-060 - Matão / SP
Fone: (16) 3382-5944 / E-mail: atendimento@metalurgicosdematao.org.br