Fique por dentro
   

Notícias

Poder de compra do salário mínimo é o maior em 50 anos, aponta BC

12/02/2015

Segundo análise do Banco Central, política de valorização do mínimo interferiu diretamente na elevação do rendimento trabalhista

divulgação 
 

O poder de compra do salário mínimo em janeiro de 2015 é o maior desde agosto de 1965. A informação foi divulgada pelo Banco Central na terça-feira (10). Entre 2003 e 2014, o reajuste nominal do mínimo foi de 262%, o que significou um aumento real de 72,31%, descontada a inflação. No primeiro mês deste ano, o mínimo está fixado em R$ 788.

De acordo com a análise da instituição, as elevações dos rendimentos do trabalho aconteceram, em parte, pela política de valorização do salário mínimo, implementada desde o primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Além disso, a valorização também foi incentivada pelas políticas de inclusão social implementadas ao longo dos últimos 13 anos. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), 46,7 milhões de brasileiros têm rendimento com base no salário mínimo. Atualmente, o mínimo de R$ 788 equivale a 2,22 cestas básicas.

Na análise por região, o aumento médio anual das remunerações foi maior no Nordeste, 5,1%, seguido pelo Centro-Oeste, 4,3%; Norte, 3,7%, Sul, 3,5% e Sudeste, 3,1%. No País, o rendimento da população ocupada com remuneração de até um salário mínimo cresceu 52% a mais do que o salário mínimo. No corte por região, o aumento foi de 60%, no Sudeste; 56%, no Centro-Oeste; 49%, no Sul; 48%, no Nordeste e 36%, no Norte.

O salário mínimo é corrigido pela variação da inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do ano anterior, e pelo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. O modelo de correção foi estabelecido pela Lei 12.382/2011, cuja validade é até 2015.

História

Durante os oito anos do governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) o salário mínimo passou de R$ 100 para R$ 200, um crescimento nominal de 100%. No entanto, o aumento real neste período foi de apenas 21,89%, descontada a inflação. Entre os anos 1999 e 2002, além de não aumentar, o salário mínimo perdeu valor: -4,32% e -1,42%, respectivamente.

Ao assumir o governo, em 2003, Lula reajustou o salário mínimo de R$ 200 para R$ 240. Ao deixar o governo, em 2010, o valor do mínimo era de R$ 510. Um aumento nominal de 155% e real de 53,6%, descontada a inflação do período

Da agência PT 

Agência FEM-CUT/SP
Redação:
imprensa@fem.org.brjornalismo@midiaconsulte.com.br
Editora: Viviane Barbosa - Mtb 28121
Siga-nos: 
www.twitter.com/femcut


•  Veja outras informações
 
SINDICATO DOS METALÚRGICOS DE MATÃO
Rua Sinharinha Frota, 798 - Centro - Cep 15990-060 - Matão / SP
Fone: (16) 3382-5944 / E-mail: atendimento@metalurgicosdematao.org.br